08/02/2016

O.M. AIVANHOV - PILARES DO CORAÇÃO -

"(...)Pilares do Coração: a HUMILDADE, a SIMPLICIDADE, a TRANSPARÊNCIA 
e a INFÂNCIA".

O.M. AIVANHOV

Transmitido por 
Air.  (Reply)

Meus muito queridos amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los esta noite e durante toda esta semana.

Então, eu venho, um pouco, para dar-lhes o programa, mas, antes disso, gostaria de propor-lhes um espaço de Comunhão...

Então, se querem, abramos, juntos, um espaço no qual possamos partilhar no coração do Coração...

[Comunhão]

Então, em relação ao programa, será bastante simples: amanhã, haverá a visita de Osho.

Então, pode-se dizer que, amanhã, começaremos pelo Fogo.

Em seguida, terça-feira, haverá, ainda, o Fogo e, depois, o Fogo.

E, para apaziguar tudo isso, seguir-se-á um pouco de Água.

Depois, veremos se há necessidade de continuar o cozimento ou não.

Veremos onde vocês estão nisso e o que resta.

Então, terça-feira à tarde haverá a visita de Ma Ananda Moyi, e eu os convido a preparar essa visita relendo ou reescutando a mensagem que ela lhes transmitiu em 1o de dezembro de 2012, via outro canal.

Então, como vocês podem observar, vamos, cada vez mais, para o Fogo.

Isso me leva a lembrá-los da importância dos Pilares do Coração: a HUMILDADE, a SIMPLICIDADE,TRANSPARÊNCIA e a INFÂNCIA.

Eu os convido a estarem muito, muito vigilantes onde vocês se colocam.

Isso nós lhes temos dito há anos.

Há anos eu me mato de dizer-lhes, enfim, eu não me mato, verdadeiramente, é maneira de falar, mas eu não paro de dizer-lhes que, a um dado momento, vocês nada mais poderão esconder, e o Fogo vem tudo levar.

Então, é muito simples.

Eu gostaria de lembrá-los disso, concernente, notadamente, à HUMILDADE.

A Humildade convida-os a permanecer na Presença no interior de si, porque, o que acontece se vocês vivem a presença dos outros?

O que é que isso mostra?

Se há os outros no exterior, isso lhes mostra, inevitavelmente, que, no interior, vocês estão no «eu».

O outro existe apenas porque há o «eu».

Aí está o ponto de partida.

Poder-se-ia dizer que o «eu», no espelho, torna-se os outros.

Então, se vocês continuam a querer buscar o cisco no olho do vizinho, isso quer dizer que vocês continuam com poeira em seu olho [cego pelas falsas aparências], é tão simples assim.

É esse mesmo o princípio da dualidade.

Não há qualquer, qualquer exceção a isso.

Isso, nós temos falado durante anos.

Tomemos, por exemplo, a noção de Serviço, esse Serviço à Luz.

Nós jamais dissemos para colocar-se ao Serviço da Luz.

Nós jamais os chamamos os Servidores da Luz.

Nós os chamamos os Ancoradores de Luz, os Semeadores de Luz, as Poeiras de Estrelas, mas não os Servidores da Luz.

Porque isso significa, por exemplo, que há um «eu» que deve servir à Luz para outros.

Vivam a Luz: é esse o Serviço.

É de você para você e, quando eu digo isso, nós sabemos – isso lhes foi dito e redito – que não há ninguém no interior.

Portanto, é de ninguém a ninguém.

Eu creio que é muito, muito importante, efetivamente, olhar-se com honestidade, particularmente agora.

Vocês compreenderão melhor após a intervenção de Ma Ananda Moyi, mas eu não vou revelar tudo agora, senão, vou me bater nos dedos.

Mas vocês podem observar que, de uma maneira geral, isso se move um pouco por toda a parte.

Então, é claro, há os Elementos, isso vocês veem, muito claramente.

E há, também, cada vez mais, seres humanos que mostram seu descontentamento, há cada vez mais pessoas que entram na resistência.

Isso, nós anunciamos há muito tempo.

Então, se há, ainda, a presença de um «eu» no interior de vocês, vocês devem estar muito vigilantes para, efetivamente, colocarem-se nos Pilares do Coração.

É esse seu salvo-conduto.

A Humildade, a Humildade de reconhecer que, se há uma opinião, um julgamento no exterior de si, então, isso lhes diz, sobretudo, que há um «eu» em seu interior.

Então, como eu já disse em muito numerosas reprises, naquele momento, o que convém fazer?

Ocupar-se do vizinho ou ocupar-se de seu traseiro?

Permaneçam na presença do que está vivo em vocês.

Aí está o que é mais importante para vocês, agora, em relação ao que está aí.

Não é o que vem, é o que está aí.

É preciso, efetivamente, compreender isso, não paramos de dizê-lo a vocês: tudo já está aí.

Então, é muito simples porque, se vocês se colocam na Humildade, se reconhecem que, a um dado momento, vocês veem o outro e isso lhes mostra que há um «eu» no interior, então, vocês não têm necessidade de exibir-se no exterior.

Vocês sabem que o importante é o «eu», não para fazer-lhe a guerra, mas, simplesmente, para reconhecer o que está aí.

Isso vai levá-los a viver na Simplicidade.

Porque é muito simples: há um «eu» e vocês permanecem centrados no «eu».

Se não há ninguém fora, então, inevitavelmente, não há ninguém no interior, tampouco.

Isso, todos aqueles que viveram o Absoluto testemunham.

A um dado momento, eles não podem dizer-lhes outra coisa.

Eles viram que não há ninguém neles, e eles veem que não há ninguém no exterior.

É muito simples.

E isso os leva à Transparência, é claro, Transparência para consigo mesmo.

Será que há alguém que está colocado em algum lugar?

Não há que se acusar, não há que se julgar.

É, simplesmente, isso a Transparência: sim, há alguém; não, não há ninguém.


Aí está, então, eu poderia desenvolver, também, sobre a Infância, mas isso já foi feito, e a Transparência leva-os, de certa maneira, automaticamente, a viver a Infância.

A Infância não procura analisar em função dos elementos do passado, uma vez que o passado não existe para a Infância, ao menos de início.

Portanto, a Infância é acolher o que acontece sem avaliar, sem julgar porque, como vocês avaliam o que se apresenta a vocês?

Forçosamente, com os elementos do passado que vocês viveram, ou os elementos do passado que foram, de algum modo, integrados à sua memória.

Se vocês apagam o passado, verão que não podem mais julgar, não podem mais avaliar a situação.

Porque vocês se dizem: essa situação está bem, ela é agradável, ou isso será complicado, em função do que ocorreu no passado.

Deixem-se surpreender pela Vida.

O Mestre Philippe de Lyon disse que jamais, jamais, vocês poderiam compreender a Luz.

Mas é muito lógico: como vocês poderiam compreender a Luz com uma ferramenta da dualidade?

A dualidade não poderá, jamais, compreender a Luz, isso é muito claro.

Mesmo a dualidade pode compreender isso.

Então, se eu desenvolvo tudo isso esta noite, é verdadeiramente, para levá-los às melhores condições para viver o que se apresenta a vocês agora, o que será desenvolvido nos próximos dias.

Tanto quanto possível, apoiem-se nos PILARES DO CORAÇÃO.

Fiquem Tranquilos, e nós vamos viver, juntos, um Reencontro muito caloroso.

O Fogo, vocês compreenderão, está na Festa durante este período.

Aí está o essencial do que eu desejava desenvolver, do que eu desejava partilhar com vocês esta noite.

Eu não vou abrir um espaço de questionamento.

Prefiro que cada um possa permanecer em sua Profundeza e que vocês possam acolher o que há a viver nos próximos dias.

E eu penso que Osho permitirá um questionamento.

Não tenho certeza, não gostaria de impor alguma coisa, nós veremos.

De qualquer modo, vocês me conhecem, eu encontrarei, efetivamente, o meio de voltar por aqui, por ali.

Eu me farei convites sob medida...

Então, eu lhes digo boa semana.

Divirtam-se bastante.






Post. e Formatação
Semeador de Estrelas
http://semeadorestrelas.blogspot.com
19/2/32014

Tradução e Divulgação
Célia G.

Transmitido por Air.
http://www.envol-du-phenix.org/ewb_pages/a/air-francais-o.m._aivanhov-6936.php?PHPSESSID=5e7d1369dbc402fe6e299f43f8d71900

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...