20/02/2014

OSHO

"Jamais vocês poderão viver sua Verdade 
seguindo a ilusão do outro".


OSHO

Transmitido por Air
 17 fevereiro 2014

Uma vez que é preciso um nome, eu sou Osho.

Mas eu sou você, como você é eu.

Eu venho, hoje, dançar a Vida, com cada um de vocês e, com vocês, ver onde a Dança é mais lenta, ver onde a Dança não pode desenrolar-se.

Mas, antes de qualquer coisa, eu lhes proponho banhar-nos, juntos, no Fogo...

[Comunhão]

A Dança da Vida é a própria natureza da Vida.

Não há que buscar onde quer que seja alhures, que não em si mesmo, aí, onde se encontra a Vida.

A Vida é tal a água que cai no alto das montanhas e que desce ao encontro do oceano.

Nada pode pará-la.

Ela traça seu caminho até juntar-se ao oceano.

Só o humano consegue bloquear essa água.

A natureza não o pode, mas o humano é capaz de construções que levam a Água a não poder juntar-se ao oceano.

Assim é a Vida.

A Vida dança, essa é sua natureza.

Mas o humano, nesse mundo, quis proteger-se, de algum modo, da Dança.

Ele quis instalar a segurança, disso eu já lhes falei.

Essa segurança em sua humanidade chama-se cultura, religião.

Por trás de tudo isso se coloca o muro que vem bloquear a Dança da Vida.

Porque, isso vocês já sabem, os frutos da cultura na qual vocês estão colocados existem há milênios, sob diferentes formas, mas poderíamos dizer que a intenção é a mesma e o fruto é exatamente o mesmo.

O fruto é a dualidade, o fruto é a separação, o fruto é o sofrimento.

A sociedade e suas regras são feitas apenas para permitir aos egos funcionarem entre si.

As regras morais têm, exatamente, esse objetivo, mas essas regras fazem apenas afundá-los no ego.

Elas os mantêm ali lhes fazendo encher a cabeça com uma segurança.

Então, compreendamos bem, eu não chamo à revolução exterior.

Eu chamo ao Despertar interior.

Porque pouco importa melhorar a ilusão, pouco importa ali mudar o que quer que seja.

Isso é tentar trocar um muro por outro.

A cada vez, vocês deixam alguém ditar-lhes a verdade dele e dizer-lhes que é a Verdade.

Então, vocês constroem um muro entre a Vida e vocês.

Porque, em definitivo, vocês sabem disso, aquele que é liberado não procura arrastar com ele quem quer que seja, ele não procura impor suas ideias.

Ele partilha, e deixa-os livres.

Jamais vocês poderão viver sua Verdade seguindo a ilusão do outro.

E, no entanto, é isso que os convida a fazer sua sociedade, que os convida a seguir o fluxo, que admite, eventualmente, alguns desvios, mas que não os deixa, jamais, livres para situarem-se fora do poder dela.

Naquele momento, os meios utilizados podem ser o de fazê-los passar por loucos, ou por perigosos.

Tudo isso, vocês sabem, esses muros, vocês os veem.

E esses muros são construídos de maneira completamente incoerente, se vocês observam com um mínimo de integridade.

Tomemos, por exemplo, o que é partilhado em sua sociedade com referência às relações entre os homens e as mulheres.

A sexualidade é suja, a sexualidade deve ser evitada e, entretanto, ela é colocada, por toda a parte, na dianteira da cena, seja nos filmes, nas publicidades, por toda a parte, em sua sociedade.

E, ao mesmo tempo, vocês têm recebido de sua sociedade, de sua cultura, o fato de que as crianças são puras.

Então, eu lhes pergunto: como a pureza pode nascer da união do que é sujo?

Este é apenas um exemplo entre tantos outros do que os banham, e do porque vocês se deixam adormecer, sem que isso seja uma reprovação.

Mas vocês deixam adormecer a Vida, situando-a no exterior de si, tentando seguir o que leva a adesão do outro.

Não se esqueçam de que muitos seres que iluminaram seu mundo foram confrontados a isso, confrontados à rejeição, confrontados à incompreensão.

Hoje, todo mundo parece convencido da potência do Amor, da Verdade de Cristo.

Mas, em Sua vida, Ele teria podido ser salvo e evitar a cruz.

Hoje, todo mundo vê-se como um próximo de Cristo, mas o que foi, verdadeiramente, em Sua vida?

E, sobretudo, o que é hoje?

Hoje, onde vocês estão colocados?

Vocês estão colocados em sua Verdade?

Vocês estão colocados em uma adesão a uma história, a uma sociedade?

Vocês estão colocados em um distanciamento do outro?

Quando nós lhes dizemos que há apenas o Um, nós não dizemos que há vários Um.

Nós dizemos: há apenas o Um.

Essa é a Verdade, que vocês têm a possibilidade de descobrir, a possibilidade de viver.

Essa não é uma conquista, necessita, simplesmente, de extrair-se da ilusão e do que ali os mantêm.

Minhas palavras vêm, eu diria, ressoar com o que o Comandante pôde desenvolver ontem.

Nós os convidamos, nesse tempo de Fogo, nesse tempo de Celebração, a posicionar-se em sua Verdade.

Porque o Fogo vem tudo dissolver.

E o que vocês pensam que o ego, a personalidade pode sentir com a aproximação do Fogo?

A insegurança, o medo, a dúvida...

Se vocês estão colocados em sua Verdade, então, vocês veem vir para si apenas o Amor, o Amor que é apenas Verdade, que, uma vez instalado na Unidade, o Amor é o Fluxo da Vida que passa do Um ao Um.

Aí está o essencial do que eu desejava desenvolver.

Se existem interrogações em relação a isso, estou pronto a respondê-las.

Não há questões.


Então, vou continuar um pouco meu monólogo.

Nós temos desenvolvido, há vários anos, esses diferentes aspectos da ilusão da dualidade, de sua Verdade.

Nós os temos encorajado a colocarem-se no interior de si, colocarem-se em sua soberania.

A escolha, a única escolha que você pode fazer, em definitivo, é colocar-se na personalidade, colocar-se no Ser, ou não colocar-se em lugar algum.

Daí decorrem frutos muito diferentes, e essa é sua liberdade.

Não há esforço a fazer.

É a cessação do esforço que permite deixar desmoronarem os muros que o isola de sua Verdade.

Esses muros são mantidos a cada instante.

Na maior parte do tempo vocês não veem, mesmo, que aderem a diferentes aspectos de sua sociedade, porque o próprio fato da linguagem, por exemplo, leva a algumas maneiras de pensar.

Em algumas culturas, há apenas uma palavra para falar do que passou, e apenas uma palavra para falar do futuro.

Em sua sociedade, vocês têm inúmeras delas, vocês podem, mesmo, regular o passado e o futuro em escalas de tempo de segundos.

Então, forçosamente, aprendendo uma língua, vocês desenvolvem os conceitos que a ela estavam ligados.

Cabe a você, agora, não mais deixar-se enganar por tudo isso.

Cabe a você, agora, experimentar e viver a Verdade em si.

Em nada acredite, seja no que eu lhe digo ou no que outro lhe dirá.

Viva, experimente por si mesmo.

Esteja atento, a cada instante, à presença da Vida, à presença da Alegria, do Êxtase ou à presença do peso, do sofrimento.

Nada julguem.

Isso lhes dá, simplesmente, uma indicação: que seu posicionamento mudou, e esse é o mais belo presente que há.

Olhem a Vida significar-lhes onde vocês estão colocados, e celebrem isso na Leveza.

Porque não há qualquer mau posicionamento enquanto vocês estão conscientes do que está em jogo.

Vocês não são mais vítimas, não são mais uma ovelha que segue o rebanho, que corre um pouco em um sentido, um pouco no outro, em função do medo de umas e de outras.

Porque, vocês já observaram como funciona um rebanho de ovelhas?

Assim que uma delas se assusta, ela foge, e as outras seguem, sem se questionarem.

Isso é amplamente utilizado nas mídias, em sua sociedade, o que cria medos para levar o conjunto de humanos a colocar-se onde a sociedade decidiu.

Os exemplos são numerosos, vocês sabem disso.

Eu venho, simplesmente, depositá-lo diante de vocês de deixá-los observar por si mesmos, permitindo-lhes tirar as conclusões que vocês quiserem.

Em minha vida eu passava, vocês sabem, por um excêntrico, porque, justamente, eu não aceitava deixar-me ditar meu caminho pela sociedade, a moralidade e as religiões.

A Vida não se tem em qualquer livro, em qualquer conceito.

A Vida vive-se, o que leva, então, a reconhecer que tudo é mudança permanente, que tudo é Dança, e que a única coisa que não muda é a mudança.

Eu fui particularmente tagarela hoje, mas, eu repito, o Fogo revela-se, agora, inteiramente, e não há mais que tergiversar.

Acolher o Amor é renunciar à segurança, é renunciar a todos os âmbitos de segurança.

Então, eu lhes digo, no Amor, em sua Verdade, até breve.



Post. e Formatação
http://semeadorestrelas.blogspot.com

Tradução e Divlulgação
Célia G.

Transmitido por Air
http://www.envol-du-phenix.org/ewb_pages/a/air-francais-osho-6941.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários não relevantes com a mensagem e possuidores de links não serão publicados, assim como comentários ofensivos a quem quer que seja.

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...