27/07/2012

HILDEGARDE DE BINGEN – 21 de julho de 2012

É a ausência total de julgamento
 do que quer que seja. 

AUTRES DIMENSIONS.
22 de julho 2012


Irmãs e Irmãos, eu sou 
HILDEGARDE. 


E permitam-me estar em seu Coração, permitam-me estar ao seu lado, como eu lhes peço para estarem em meu Coração e ao meu lado.
Pela Graça de nossa Comunhão, vamos evocar, bem além das algumas palavras que vou pronunciar, a Graça do Amor.
A Graça do Amor não está em grandes discursos. 
A Graça do Amor não é, simplesmente, fazer o bem ou estar bem.
A Graça do Amor é não mais ser tributário do que quer que seja.


É nada mais ser, ser o menor de todos, a fim de ter acesso a Tudo.
É tornar-se, inteiramente, a Luz: o que nós somos.

É ser cada um de vocês, não mais ter para si como para aquele que está em face, aquele que se opõe, aquele que chora como aquele que ama.
Então, a Graça do Amor vive-se, aqui e por toda a parte. 

É não mais ser apegado a esse corpo, mas ser todos os corpos.

É não mais ser essa alma, mas ser todas as almas. 

É não mais ser um espírito em um corpo, mas ser todos os espíritos em todos os corpos. 

É não mais ser uma história, mas todas as histórias. 

É não mais ser uma pessoa, mas todas as pessoas. 

É, portanto, Amar, para além de qualquer pessoa. 

É ter acesso a tudo, desde a música das esferas até o conhecimento o mais íntimo do que existe sobre esse mundo, como no Espírito, como por toda a parte alhures. 

É não mais ser afetado por qualquer limite. 

É, o que quer que aconteça, tanto a vocês como a qualquer outro, ser e permanecer na mesma Graça do Amor. 

É ser inabalável, não pela vontade, mas pelo que eu exprimi como uma tensão para o Abandono, ou seja, realmente, viver que, dessa tensão para o Abandono e desse Abandono total resultam todos os benefícios, resulta o fim de toda separação, na qual vocês estão, realmente, cada um e cada uma, tanto no amigo como no inimigo aparente, em todo Irmão e toda Irmã, em todo conhecimento, em toda planta (que lhes dá o conhecimento íntimo dessas plantas), em todo anjo, em toda música.

Foi assim que, durante a encarnação que eu tomei, pude escrever tudo o que eu escrevi.
Essa erudição não era uma erudição aprendida do exterior, mas vivida na Graça do Amor.

E, hoje, aí, onde vocês estão, sobre esta Terra, tudo pode ser assim.
A partir do instante em que vocês aceitam deixar fazer o que há a fazer, para Ser, vocês não estão mais no fazer, mas no Ser.

Então, é claro, há alguns fazeres que são opostos ao Ser.
Vocês não podem ser seduzidos pelos artifícios desse mundo e Ser.

É preciso escolher.

Mas, a partir do instante em que vocês escolheram Ser, realmente, nenhum fazer pode atingir o Ser.
E é, justamente, nisso que há o Conhecimento.

Ele não é o resultado de uma lógica, não é o resultado de um aprendizado, ele é espontâneo porque, justamente, não há mais barreira, mais limite e, quando eu digo que estou em seu Coração, que estou ao seu lado, eu o estou, realmente.
Do mesmo modo, vocês podem estar, realmente, comigo e vocês podem ser eu.

Agora e já, sobre esse mundo, o Manto Azul da Graça permitiu, e permitirá a vocês, cada vez mais, como Ele o dizia (ndr: CRISTO): «o que eu fiz, vocês o farão, e bem maior ainda».
Isso é agora.

E é agora, se vocês aceitam não mais serem confinados, que a alegria inextinguível, que o Amor o mais extraordinário está aí.
Vocês se apercebem de que não são, efetivamente, mais o que quer que seja da vida que levaram. 
 
Como diria um de seus intervenientes, atroador, não há mais teatro (ndr: BIDI).
Porque todo Irmão e Irmã que vocês podem ver, amando ou sofrendo, torna-se, real e inteiramente, o que vocês São, que lhes dá a viver que não há qualquer separação, que não há qualquer mundo, que há apenas o Amor e a Graça desse Amor.

Na Graça do Amor é ser assim, ou seja, não mais uma pessoa, mas todas as pessoas. 

É não estar sobre esse mundo, mas ali estar, apesar de tudo.
É tornar-se o Tudo e o Nada, porque o Nada e o Tudo são apenas as duas vertentes da mesma Verdade.

Não se contentem com o medíocre, não se contentem com pouco: sejam o Tudo, com Humildade, porque vocês o São. 


A Graça do Amor está aí, vocês o São.

Por minha Presença, ao seu lado, em seu Coração, como sua Presença em mim, assim É. 

Eu repito, nenhum Fazer pode obliterar isso.
O Manto Azul da Graça dá-lhes a viver, nesse mundo, uma amplitude bem mais vasta do que esse corpo.

Vocês são cada um dos Irmãos e das Irmãs, vocês são cada árvore desta Terra. 

Ele lhes disse: «o que vocês fazem ao menor de vocês, é a mim que vocês o fazem» (ndr: CRISTO) e vocês o vivem.
Não há qualquer história humana que possa ter-se na Graça do Amor.
Não há qualquer conflito que possa ter-se na Graça do Amor.
Nada há que possa resistir à Graça do Amor.

Tudo o que poderia parecer existir é, simplesmente, a não instalação completa da Graça do Amor.
Ousem ser a Graça do Amor porque, a partir do instante em que vocês ali estiverem, vocês são Liberados, inteiramente.

Além de seu efeito de Liberador, vocês são Liberados.

Então, um sorriso sem fim nascerá em seu Coração, em sua alma, em seu Espírito e na Existência.
O Absoluto está aí. 

Vocês viverão, por si mesmos, que, na Graça do Amor não pode existir qualquer distância, qualquer exceção, qualquer exclusão, mas que aqueles de nossos Irmãos e nossas Irmãs que estão encarnados e que decidem não ser assim, vocês os deixarão seguir o caminho deles, porque é a verdade e a liberdade deles.
Eles são vocês, lembrem-se.

Do mesmo modo que, em um corpo físico, há partes que não podem ver-se: as costas não podem ver seu joelho.
Eles não têm as mesmas funções e, no entanto, constituem o mesmo corpo.
Não viria, jamais, ao espírito das costas, rejeitar o joelho.
A Graça do Amor é isso.
É a ausência total de julgamento do que quer que seja.
Não é um deixar fazer, mas um deixar Ser.


A Graça do Amor está aí.

Ela não os impede de fazer (e minha vida foi o exemplo disso), bem ao contrário.
Deixar Ser preenche-os, ainda mais, de vida, ainda mais, de entusiasmo, tanto aqui como alhures, aqui como por toda a parte, em seu corpo como em todo corpo, porque o vasto – que vocês se tornaram – ressoa a todos, tanto àqueles que os olham como àqueles que se aproximam de vocês e, mesmo, àqueles que se desviam. 
 
A graça do Amor é isso.

É que nenhuma circunstância exterior pode alterar o que quer que seja.
Nenhum estado Interior pode alterar o que quer que seja.
A Fonte de Cristal derrama-se em vocês, e derrama-se sobre o mundo, tal um esguicho de Luz.
Nenhuma forma pode abrigar o que vocês São, mesmo se vocês permaneçam em todas as formas.

A Graça do Amor é a Beleza.
A Graça do Amor é a Verdade.
Ela é inalienável e inalterável.
Ela é o que vocês São.
Ela é o que tudo É.


Naquele momento, vocês se perguntam, mesmo, como puderam estar ausentes a si mesmos e vocês se perdoam, como vocês perdoam a tudo, porque a Graça do Amor não pode fazer de outro modo. 

Porque a Graça do Amor é dar a Graça, não como um ato de vontade, mas porque essa Graça emana, permanentemente, sem nada pedir-lhes, dando-lhes a ouvir o canto do universo, o coro dos Anjos, a viver esse contentamento permanente, o que quer que aconteça, porque nada acontece. 

 
Justamente, vocês saíram de tudo o que acontece, como de tudo o que parte.

A Graça do Amor é isso, e é o que nós somos, todos, no Um e no Outro.
É o que nós somos, cada um, em todos.
Não há mais distância, vocês são, definitivamente, Liberados.

A Graça do Amor é nossa natureza. 


Não existe qualquer parede que possa ser um obstáculo à Graça do Amor.
Nada pode perder-se, nada pode ganhar-se, tudo já está aí.

Na Graça do Amor tudo é sabido, tudo é visto, mas não com um olhar discriminador, não com algo que vai separar, mas que vai ver, para além de qualquer diferença, o que sustenta a mesma natureza.
Porque aquele que não vê a Graça é tanto quanto vocês que a vivem.
Fundamentalmente, não há qualquer diferença, se não é para o olhar daquele que é dividido, ele mesmo.

A Graça do Amor dá-lhes asas, ela os cobre com o Manto, ela faz jorrar, de vocês, a Graça, permanentemente, independentemente de qualquer vontade. 


Ela os põe nessa Eternidade. 


Ela engloba tudo ao que seu olhar e seu Coração podem atribuir uma atenção.
Não existe qualquer recanto desse corpo, como de todos os corpos, como do mundo, como da Terra, como de todos os mundos que escape da Graça do Amor.

A Liberação está aí, nessa graça, nesse Amor, nesse estado de todo estado, no qual tudo é acessível, no qual nada pode fechar-se ou voltar a fechar-se.
Aí onde vocês depositam todos os ilusórios fardos dessa vida, desse corpo, de suas emoções. 

 
Viver isso é tanto viver em CRISTO como viver em qualquer outro, com o mesmo Amor, a mesma Presença, a mesma qualidade.

É a vocês que cabe decidir.
É a vocês que cabe ver a Graça do Amor ou outra coisa.
A Graça do Amor preenche-os, ela preenche o universo, como ela preenche esse mundo. 


Ela é a ação sem fazer. 


A Graça do Amor é Ser, é esse Ser, ele mesmo, que faz, e não mais vocês.
E esse Ser conhece tudo.
Nada pode ser escondido dele, nada pode ser-lhe ocultado.


Se vocês são capazes de tudo parar, uma respiração, a Graça do Amor está aí.
Nada pode opor-se à Graça do Amor, exceto você.
E, portanto, cabe a você ver.

Mas ela está presente, totalmente, ao alcançar do Coração.
Nós estamos aí para isso, como vocês estão aí para isso.

Para além de toda história e para além de tudo o que pôde ser alterado sobre esta Terra, o Amor sempre esteve aí porque, sem Amor, nenhuma sombra, mesmo, não poderia existir, porque sem Amor, nenhuma alteração poderia surgir.

A Graça do Amor é viver isso.
É não mais perder-se nos meandros de interrogações, de questões, de dúvidas.
É deixar trabalhar a graça.
E esse mundo e vocês mesmos dar-se-ão a ver, a si mesmos e ao mundo, para a mesma realidade vivida, dois aspectos diametralmente opostos: a Graça do Amor ou o ódio e o medo.

Então, é claro, vocês poderão perguntar-se como, no mesmo tempo, no mesmo espaço, no mesmo real objetivo (em todo caso, para o olho da razão), algumas Irmãs e alguns Irmãos viverão a Graça do Amor, algumas Irmãs e alguns Irmãos viverão o inverso.

Não há inverso.
Há apenas o não reconhecimento. 


Mas, em definitivo, vão além dessa questão e deixem Ser, porque seu melhor modo de Liberar o mundo é a Graça do Amor.

É claro, a mão estendida, alimentar um ser que tem fome é importante, mas, se não há a Graça do Amor, isso responde apenas a uma necessidade do instante.

A Graça do Amor libera-os e alivia-os.
E extirpa-os, literalmente, de tudo o que não é Ela. 


Nossas Presenças estão aí para isso.
Nós estamos ao seu lado, em seus Corações, como vocês estão ao nosso lado e em nossos Corações.

Não se ocupem de nada mais, deixem Ser.
O fazer far-se-á. 


Mas o fazer, estando no Ser, não é a mesma coisa do que fazer estando no querer fazer.
É a isso que vocês são chamados, é a isso que vocês manifestam, ou não, seu Abandono, à Graça e à Graça do Amor.

Como o disseram minhas Irmãs, como o disseram os Anciões, os Arcanjos, nós estamos aí e estamos aí para vocês, até o momento em que vocês percebam que nós somos vocês.
Não como uma transposição, não como um jogo de palavras, não como uma permuta, mas, efetivamente, como a essencial Verdade.
E isso, também, é a Graça do Amor.

Vocês são o Caminho, a Verdade e a Vida, porque o Caminho, a Verdade e a Vida é, muito exatamente, o atributo tri-único da Graça do Amor.
A Graça do Amor chama-os a superar, a transcender tudo o que vocês creem ser, tudo o que vocês puderam ser, tudo o que vocês fazem ou têm feito para estabelecer-se em outra oitava no Absoluto, na Beleza.

Qualquer que seja aquele de nós que venha chamá-los ou buscá-los, é em sua ressonância comum que se encontra a Graça do Amor.
Não mais em nós do que em vocês, mas, bem mais, entre nós, porque, entre nós não há o um e o outro, e o outro e o um,Um, há Alegria, há Paz e há a Graça do Amor.

Vocês são, todos, chamados, porque nós nos chamamos, uns e os outros.
Lembrem-se de que, durante esse tempo, vocês têm apenas que Ser e, absolutamente, nada que procurar, porque tudo está aí.

A Graça do Amor alimenta-os e dá-lhes acesso a tudo o que é necessário.
Não para satisfazer os Fazeres, independentes do ser, mas, efetivamente, para Ser.

Abandonar o Si, Abandonar-se à Luz, inclinar-se para o Abandono, inclinar-separa a Luz é realizar tudo isso, no mesmo espaço e em todos os espaços, e isso os preenche de Paz e de Alegria.

Não existe mais apego: tudo se torna Liberdade e Liberação.
Todas as relações tornam-se pacíficas, porque a Graça do Amor trabalha, bem mais facilmente, do que quando vocês decidem comunicar-se ou interagir, trocar. 


Porque a Graça do Amor não é, unicamente, uma troca: ela é uma Doação total, uma permuta total, na qual todo sentido de distância e de identidade desaparece, completa e absolutamente.
Viver a Graça do Amor é entrar em si, para além de todo ser; é estabelecer-se no que jamais tem fim e que jamais começou.
É sair de toda projeção, de todo sofrimento, de toda ilusão. 


É aí, onde nada mais pode ser percebido, que essa mesma Graça, esse mesmo Amor, por toda parte e em tudo.

O Manto Azul da Graça, quando é depositado em seus ombros, abre, ainda mais, a Porta atrás de seu Templo, ao nível de KI-RIS-TI, e instala-os, cada vez mais, em um estado de Paz no qual reina a Beleza.

As algumas palavras que eu emprego são bem frágeis para descrever a vivência, mas permitem dar testemunho, para além das palavras.

No silêncio de seus Véus quaisquer que sejam esses Véus – encontra-se a Graça do Amor, que jamais se moveu, que jamais partiu, que jamais voltou.

Assim, eu os convido a estarem ao meu lado, a estarem em meu Coração e a serem eu, nesse espaço de Comunhão.
Eu os convido a pôr o Amor acima de tudo, porque nada há mais, porque o que vocês dão, vocês o dão a si mesmos, porque, em definitivo, é dando-se que vocês se encontram. 

 
Tudo o que não é dado é perdido.

Essa é a Graça do Amor, e é assim, porque é o único mecanismo que dá conta da Beleza, que permite a expressão dela.

Eu passo, de imediato, durante um silêncio de alguns instantes de seu tempo, na Comunhão à Graça, na Graça do Amor, e, simplesmente, na Graça.

... Partilhar da Doação da Graça...

Que a Graça seja 

nossa Morada de Amor.




Traduzido e Divulgado Por: Célia G.
http://leiturasdaluz.blogspot.com

Post. e Formatação
Semeador de Estrelas


Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo. Se você deseja divulgá-las, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: http://www.autresdimensions.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários não relevantes com a mensagem e possuidores de links não serão publicados, assim como comentários ofensivos a quem quer que seja.

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...