10/11/2012

BIDI -O ABSOLUTO - Parte II

"Nenhum objetivo, nenhuma experiência, e nenhuma meta, relevam do Absoluto". 

BIDI

Perguntas e Respostas 

 
AutresDimensions 
Pergunta: você reiterou para nós que nada há a fazer, mas nós vivemos ainda sobre esta Terra onde somos obrigados a fazer coisas, enquanto sabendo que é ilusão. 

Mas eu jamais disse para não fazer nada.

“Permanecer Tranquilo” refere-se à consciência.

Eu mesmo especifiquei que tudo o que era para fazer, por este saco(corpo), era para ser feito.

O Absoluto não é ser ocioso. 

O Absoluto consiste em mudar de olhar, de ponto de vista, e de consciência.

Eu jamais disse que não era preciso fazer o que tem que ser feito por este saco, muito pelo contrário.

A pessoa entende sempre o que ela quer.

Eu jamais disse isso.
Ninguém jamais lhes disse isso.

Foi especificado, por alguns Anciãos, desde alguns anos, que havia circunstâncias de vida para mudar, a fim de desvendar a liberdade.

Mas ninguém jamais disse (e eu, ainda menos) que era preciso nada fazer.

Quando eu digo “nada façam”, eu não falo das atividades da pessoa, eu me dirijo ao que vocês São.

No que um Absoluto deve recusar a encarnação?

A recusa é uma oposição da consciência, e em nada se refere ao Absoluto.

O que você É não se importa com o que você faz, com como você o faz, ou com como você o realiza.

As obrigações referem-se à pessoa, mas não ao que você É.

Acreditar que a sua pessoa, extraindo-se das obrigações, vai encontrar o Absoluto, é um erro.

A pessoa não pode compreender o Absoluto, você tem a prova.

Ela interpreta os dizeres segundo o seu ponto de vista, ou seja, segundo a própria pessoa.

Enquanto você raciocinar assim, e agir assim, isso mostra que você não está “Tranquilo”.

Pergunta: há mudança de consciência dando conta que tudo isso é da ilusão? 

Nenhuma mudança de consciência leva ao Absoluto.

O que você diz é uma primeira etapa que desencadeia a mudança do ponto de vista.

Mas se você rejeitar a ilusão, ali se opondo, você vai necessariamente reforçá-la.

Pergunta: eu penso que...

O que você pensa não tem qualquer importância: é o que você É, que é importante.

Achar ou não achar, nada muda do que você É.

Achar é uma dinâmica da ação, do movimento, e da própria ilusão.

Pergunta: desinteressar-se pelas experiências a viver revela uma mudança do ponto de vista?

Os dois são possíveis: ou há indolência, ou há o Absoluto.

Mas apenas você sabe a resposta.

Como eu disse, aquele que é Absoluto não se coloca mais a questão sobre o Absoluto.

Ele não pode se perguntar.
Do mesmo modo, aquele que faz uma saída do seu corpo, sabe o que existe fora deste corpo: ele não se pergunta mais sobre a existência, ou não, de algo depois deste corpo, já que ele vivenciou isso.

Mas aquele que não o vivenciou poderá colocar-se todas as questões do mundo, criar todas as crenças do mundo, todos os pensamentos o mundo, isso será apenas abstrações, porque ele não tem a vivência disso.

Enquanto vocês estiverem mortos a vocês mesmos, vocês não podem Viver o que vocês São.

Mas vocês podem levar a pessoa(personalidade) à morte.

Pergunta: abandonar todo esforço e se contentar em viver o que a vida propõe, a cada dia, é isso que convém fazer? 

Nada há a fazer.

Enquanto você considerar que existe um estado preliminar (através de uma procura, através de “viver o dia a dia”), isso se refere ao saco e à consciência, mas não ao que você É.

Para alguns sacos, esse modo de vida é o que é proposto pela Inteligência da Luz.

Então, faça-o.

Realize isso.

Mas se dê conta do que você faz, ou do que você realiza, não tendo nem se afastado, nem se aproximado do que você É: aí, está a maturidade.

O Absoluto não se importa com o seu grau de atividade ou de inatividade.

O Absoluto não se importa com o seu grau de evolução, de iniciação, ou com qualquer outra coisa que seja (como a sua idade, ou o seu sexo, ou não importa o que mais).

Aí está a Verdade.

Eu o lembro de que o Absoluto sobrevém durante a capitulação da Consciência.

Esta capitulação não é nem um fazer, nem uma ação, nem mesmo um estado de ser: isso é espontâneo, imediato.

A partir do momento em que você, de algum modo, se extrai (sem desejá-lo, sem querê-lo) das ilusões e de todo efêmero, isso não põe fim ao seu efêmero, isso não põe fim às responsabilidades deste saco: isso é totalmente independente.

Para alguns, isso será dessa maneira.

E, para outros, a Inteligência da Luz coloca-os frente a desafios.

Um como o outro são, muito exatamente, o que é proposto para vocês.

Mas eu os lembro de que, independentemente do que lhes propõe a Inteligência da Luz, ela é destinada a levá-los ao Si, à Unidade, ou mesmo à Última Presença ou Infinita Presença.

Mas o mecanismo Final (se eu puder dizê-lo assim) acontece, de algum modo, quando, até mesmo, tudo isso é deixado, na totalidade.

É o momento em que a consciência nada mais reivindica, ainda mais ela mesma (no Si ou na Unidade) que emerge, de alguma forma, o que você É.

Pergunta: por que o Si, tão narcisista, renunciaria a ele mesmo?

Ele não pode.

A consciência jamais renuncia a ela mesma.

A projeção leva à projeção.

A criatividade leva à criatividade.

A experiência leva à experiência.

Porque o conjunto do que é conduzido implica em uma comparação: consciência Unitária, consciência dual, etc., etc..

Mas o que você É não está, de nenhum modo, concernido a isso.

Não é o Si que realiza o Abandono do Si.

Isso não é um ato de vontade, isso não é um ato ligado a uma prática (ainda menos a uma ascese, ainda menos a uma moral), mas, sim, ao famoso nada do Si, ou da pessoa, esse cataclismo final da própria consciência que o faz descobrir o que você É.

Do mesmo modo que, quando a maioria dos Irmãos e Irmãs humanos vive experiências fora do corpo (ou próximas da morte), há um trauma (qualquer que seja), uma ruptura da continuidade e, portanto, esta forma de descontinuidade que leva a Ser o que você É, mas não antes.

Eu vou retomar outro exemplo que lhes é familiar porque utilizado, em várias ocasiões, pelo Comandante dos Anciãos (ndr: O.M. AÏVANHOV).

A Consciência que vocês procuram parece afastada de vocês.

Esta Consciência é o amendoim dentro do pote.

Quando vocês veem o pote e os amendoins, é preciso colocar a mão dentro do pote para retirar os amendoins.

E o que acontece, naquele momento?

A mão não sai mais do pote.

Convém então ir além do amendoim, do bocal, e da mão.

Mas enquanto você considerar que existe um pote, amendoins, e uma mão para segurá-los, não há solução.

A consideração das refutações (feitas, ou não, por vocês, até agora) era destinada a fazê-los mudar de ponto de vista.

Era uma forma de lógica que se dirigia à pessoa e ao mental.

Nenhuma outra atividade mental (da pessoa ou, até mesmo, da Consciência a mais expandida) é-lhes de qualquer utilidade.

Realizar o Abandono do Si não é uma Realização: é uma Liberação.

Esse não é um objetivo a cumprir, é, muito pelo contrário, algo a soltar.

Mas esse algo a soltar não deve ser confundido com o fato de mais nada fazer.

A consciência é o que mantém.

A a-consciência é o que soltou.

Seja o que for que vocês mantenham (com a consciência, com as ideias, com as crenças, com as memórias, com as projeções), enquanto vocês mantiverem o que quer que seja, vocês não são Livres.

Aquele que é Livre não apagou as suas lembranças: elas sempre estão aí, mas elas não o afetam mais.

A pessoa como a Consciência, o ego como a Consciência Unificada, sempre estão em busca de uma experiência, de um objetivo, e de uma meta.

Nenhum objetivo, nenhuma experiência, e nenhuma meta, relevam do Absoluto.

Pergunta: a percepção de um movimento quando tudo está tranquilo revela o Abandono do Si?

O movimento é um processo Vibratório.

Tudo depende se esse movimento nasceu em alguma parte deste saco(corpo fisico), ou se ele tomou todo o saco de repente.

O movimento, a impressão de movimento, ou a percepção de um movimento, podem estar conectados a uma das etapas finais da própria consciência.

Mesmo se não existir passagem, propriamente falando, entre a Infinita Presença (ou o Abandono do Si, realizado totalmente) e o Absoluto, então podemos dizer que isso são primícias, testemunhas, se você preferir, de que o ponto de vista está prestes a mudar.

Do mesmo modo que as experiências de Comunhão, de Fusão e de deslocalização prepararam vocês.

Do mesmo modo que o contato com outros Absolutos, pelo Canal Mariano, preparou vocês.

A Onda da Vida é também um movimento.

Quando a pessoa se apaga, e quando a consciência cessa de observar si própria (mesmo no Si), então a Onda da Vida é lançada.

O Absoluto está então presente.

Isso é vivenciado, e isso é inteiramente consciente, porque vocês alcançam a sua natureza, além da própria consciência.

O que vocês São.

Pergunta: ter o olhar que nada mais vê e que salta, reflete uma mudança de ponto de vista?

Não, porque o que é visto, naquele momento, é visto pela própria consciência.

Certamente, diferente daquela da pessoa, mas muito associada à consciência pessoal, de qualquer maneira, quaisquer que sejam o tipo de visão e a forma de visão.

O Absoluto não é uma visão.

O Absoluto não é um estado.

Mas, naturalmente, existem, em meio aos últimos estados da consciência, preliminares ao Abandono do Si (mesmo não sendo uma finalidade), a manifestação de uma série de elementos Vibratórios que lhes são desconhecidos, mas que continuam a ser, para o Absoluto, uma ilusão.

A identificação da consciência com as Vibrações leva à expansão da consciência até a Unidade e até a Infinita Presença, mas jamais ao Absoluto, já que o Absoluto é o desaparecimento da própria consciência.

Ora, como a consciência que Vibra, que se expande, poderia desaparecer?

Isso é uma experiência da consciência.

O verdadeiro olhar é, efetivamente, sem os olhos, sem discriminação, sem qualquer sensorial, sem qualquer percepção, sem qualquer concepção, sem qualquer lógica aparente.

A melhor testemunha é a Onda da Vida que é uma propagação e um movimento visando, como vocês sabem disso, atravessar alguns obstáculos da pessoa, e da sobrevivência da pessoa, e, depois, favorecer o Coração.

Esses mecanismos são as testemunhas do acionar, inconsciente, da confrontação da própria consciência (que você percebe) com o Absoluto.

Mas isso ainda não é o Absoluto.

Isso não é um pré-requisito, porque, ao empregar a palavra pré-requisito, você vai considerar que é uma etapa que ocorre, mas esta etapa não é absolutamente indispensável, nem mesmo necessária.

Ela é talvez mais apropriada às condições da Luz atual, aí onde vocês estão.

Na minha encarnação, isso não era necessário.

Pergunta: haverá muitos Absolutos com forma antes do final? 


Eu posso responder dizendo a você que haverá um monte de Absolutos com forma, como sem forma, depois do final.

O fim não existe para o Absoluto.

Pergunta: o que fazer aguardando o final? 


Eu levo mais longe o seu raciocínio.

Assim que você tem idade para conceber que você é uma pessoa (depois dos três, quatro anos), você apreende intimamente, naquele momento, que o que apareceu, em meio a esta forma (a este corpo, a este campo de consciência), tem um fim.

Será que, no entanto, você decide, desde a idade de quatro anos, nada fazer?

O sentimento de fim, se ele levar a um desinteresse, não o leva a parte alguma, porque irá se tratar sempre de uma fuga.

Aquele que é Absoluto não é referido, nem pelo início, nem pelo fim (dele mesmo, como do mundo).

Não há qualquer atitude mental satisfatória para o Absoluto porque, se você disser que dentro de tantas semanas será o fim, e você esperar este fim, você se engana.

Veja: na maioria das vezes, quando anunciamos a um saco de comida(corpo humano) que ele vai partir devido a uma doença grave, o que acontece?

Na maioria dos casos, essas pessoas ficam mais vivas do que antes.

Elas saboreiam cada minuto, cada dia e cada hora.

Isso é independente da atividade ou da não atividade.

É, eu diria, uma atmosfera Interior.

É como se, sabendo que você é uma pessoa (aos quatro, cinco anos) que vai terminar um dia, você se dissesse: “esse dia é inevitável, para que serve deixar viver este saco?”.

Ora, a recusa da Ilusão mantém a Ilusão.

Do mesmo modo, toda espera (mesmo justificada, mesmo real) de um acontecimento real testemunha o que você é.

A espera coloca uma distância do que você É.

Esperar que o fim de alguma coisa iria permitir-lhe ser Absoluto, é um erro.

O fim seja do que for lembra a você, simplesmente, o que você É, além da pessoa.

Isso se denomina a Liberação.

Aquele que é Absoluto, é Liberado Vivente.

Ele não tem necessidade de aguardar um acontecimento, ou um fato, o fim do que quer que seja, para Ser isso.

Tenham cuidado para nunca se colocar, vocês mesmos, em um sentido de expectativa, porque o sentido de expectativa (como de espera convicta ou de esperança) coloca uma distância.

Existe uma armadilha.

Como foi dito, vivam cada minuto, aí onde vocês estão, plenamente, inteiramente, como se fosse o último porque, de qualquer maneira, sabendo-se em uma pessoa, há a certeza e a inevitabilidade do fim desta pessoa.

Pergunta: amar a ilusão, ou seja, amar a natureza, amar as flores, nos afasta do Absoluto? 

Mas tudo depende do que você denomina amar.

Há tantos seres humanos quanto definições do amor.

Se você ama sem se apegar, não tem qualquer motivo para a natureza afastá-lo do que você É, já que a natureza é Absoluta, além da aparência.

Tudo depende do que você ama.

Será a cor, será a forma, será a fragrância, será a aparência ou será a essência?

Toda diferença vem de você, mas não da natureza.

Nada pode afastá-lo, nada pode aproximá-lo.

Há apenas circunstâncias que reforçam a ilusão, que a mantêm e a sustentam.

E há circunstâncias que o Liberam.

Mas as circunstâncias são Interiores: elas não se referem à cessação de uma atividade ou de uma responsabilidade.

O fato de estar na natureza ou em um apartamento, no Absoluto, nada muda.

Mas, obviamente, que a natureza e o que é natural permitem, de maneira muito mais ampla, em princípio, expandir a consciência.

Mas não é preciso confundir as manifestações de um objetivo qualquer com o Absoluto.

Pergunta: você disse que a natureza é Absoluta. Você pode desenvolver?

Além da forma, da aparência, dos odores e das cores. 


Como é que o que está diante dos seus olhos poderia escapar de ser Absoluto? 


Enquanto vocês considerarem que o Absoluto é um objetivo, uma meta, uma finalidade, uma prática, vocês não estão ali.

Uma árvore é Absoluta.

Há uma consciência na árvore.

O Absoluto não faz diferença entre uma folha de grama, uma árvore, uma galáxia e um universo.

Ele os contém, todos eles, da mesma maneira.

A árvore, como qualquer elemento da natureza, obedece a um projeto, ao projeto da Vida: nascimento, crescimento, decrescimento, e morte.

Além desta aparência, além dos seus movimentos, das suas formas diferentes, há o Absoluto.

Será que a árvore se pergunta sobre ser uma entidade, uma consciência ou um Absoluto?

Não, ela é tudo isso ao mesmo tempo.

Há apenas o mental humano que cria a distância.

Uma árvore não pode criar distância.

Pergunta: o porco que abatemos ou o pombo e o pato que Hildegarda de Bingen recomenda comer, como se situam em relação ao Absoluto?

Do mesmo modo que você, que isso seja o porco, o pombo ou você, isso não faz diferença alguma.

O Absoluto não é devedor de uma forma de vida ou de uma outra forma de vida.

Você busca julgamentos de valor ou definições no que não tem.

Aquele que é Absoluto com forma vê as diferentes formas, concebe que um porco não é um pombo, que um pombo não é a sua pessoa, mas que isso nada muda.

Você quer levar o Absoluto ao seu campo de compreensão, ao seu campo de percepção, ao seu campo de experiência, mas isso é impossível.

Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

E bem, BIDI saúda vocês, e marca encontro com vocês uma última vez, e eu lhes digo, então, até breve.



 - Parte I -









Post. e Formatação
Semeador de Estrelas

Tradução para o português e
 divulgação: Zulma Peixinho
http://portaldosanjos.ning.com
10 novembro 2012 


Mensagem do Venerável BIDI no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1661
28 de outubro de 2012
(Publicado em 30 de outubro de 2012)

 

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...