23/08/2016

Satsang do Coletivo do Um

SATASANG

"Há uma multidão impressionante de pessoas
 que vivem fenômenos elétricos nas pernas, 
zumbido nos ouvidos, percepções 
magnéticas que estão ligadas à
 Liberação da Terra e do Sol "(...)

Por ALTA


Olá Alta

Questão(1) - Na semana passada, eu acordei durante a noite com a minha cama e o meu corpo tremendo muito. 
Eu pensei que era um terremoto. 
Eu fiquei com muito medo.
Poderia explicar o que isso significa?
 Era um tipo de vibração? 

Obrigada. Layssa C.

Resposta de Alta

Os mecanismos de tremores ou de Vibrações, que podem por vezes ocorrer à noite, têm diversas origens, se excluirmos, é claro, os tremores de terra e as causas exteriores.

 É preciso já saber que todas as pessoas que vivem experiências fora do corpo, o que chamamos de ‘out of body experience’, descrevem, no momento do retorno, essa sensação de estar comprimida, de estar apertada, por vezes com Vibrações intensas, acompanhadas de sons ou não, que podem dar a impressão, efetivamente, de que a cama treme, ou não.

Existem também mecanismos, ocorrendo nesse momento, onde os afluxos da Luz Adamantina, da Radiação do Ultravioleta, da Radiação d’A FONTE, são efetivamente muito fortes durante a noite, em todo caso, na posição deitada. 

Trata-se provavelmente de um desses processos, sem poder lhe dizer qual desses dois processos estaria envolvido.

Por outro lado, eu insisto neste conceito de “eu tenho muito medo”. 

De fato, durante o sono, ou se estivermos despertos, é preciso compreender que, assim que abrimos os olhos (exceto se o Absoluto já estiver presente e revelado de algum modo, já que ele sempre esteve aí), o que se revela é aquilo que estava adormecido, ou seja, o ego-mental-personalidade que, evidentemente, nas primeiras vezes, está sujeito a este conceito de medo do Desconhecido porque, justamente, isso não tem explicação. 

A melhor coisa, talvez, para sugerir a você e aos outros, é que, quando esse processo acontecer pela primeira vez, o mais importante, naquele momento, é não buscar a explicação, exceto se, é claro, for um tremor de terra que esteja acontecendo. 

Permanecendo no processo Interior, aí também, há algo que parece bastante eficaz e que é para se colocar na posição do observador, que vai observar, de alguma forma, este medo que se expressa pelo ego-mental-personalidade-corpo, mas que não tem substrato. 

Isso é quase, se vocês quiserem, como para a Onda da Vida quando, a um dado momento, o observador terminou de observar essas manifestações Vibratórias, que partem dos pés e por vezes do sacro. 

O importante é distanciar-se, não para se separar, não para negá-lo, mas, bem mais, para adotar um outro olhar onde cessamos de observar o que acontece neste corpo ou na periferia deste corpo, a fim de tornar-se si mesmo este estado Vibratório, esta Dança Vibratória, como diria OSHO, esta Onda da Vida, este Charan Amrita, como dizia Nisargadatta, que não é um objetivo em si, obviamente.

Uma imagem que eu poderia lhes dar, ainda mais específica, é como se houvesse uma aproximação, uma justaposição, de duas Entidades, aparentes, que começam a entrar em Ressonância, em Comunhão.

 Isso é preliminar, eu lembro a vocês, conosco também e não unicamente com os outros Irmãos e Irmãs ou com o Sol, antes da Dissolução.

 Ou seja, quando há uma ressonância que se cria no ego-mental que sente medo, como você o descreve nesse processo, é preciso compreender que é algo que se aproxima de vocês. 

Esta aproximação é uma aproximação das Dimensões da Eternidade da nossa dimensão efêmera do corpo-mental-personalidade. 

Dessa aproximação, que irá se tornar um Encontro, evidentemente, vai nascer uma espécie de Alquimia onde a consciência irá viver esse famoso ‘Switch’, esse famoso Basculamento, este famoso Clique que vai permitir, no espaço de um instante (a partir do momento- em que vocês tiverem se distanciado do medo, e se distanciado até mesmo do processo que é ainda vivenciado e sentido), colocá-los em um estado de coincidência. 

Ou seja, da justaposição de algum modo perfeita, chegando sob diferentes formas, quer seja no Canal Mariano, quer seja na Onda da Vida, quer seja pelo Despertar da Kundalini, quer seja, até mesmo, por um sentimento de Vazio que contrasta com a Alegria posterior que resulta disso.

Isso é, acima de tudo, deixar Trabalhar. 

É aqui que se situa esse famoso nada fazer (não intervir), colocando-se, posicionando-se si mesmo em meio ao Ser.

 Ou seja, em meio a algo que é ao mesmo tempo o observador, mas que ultrapassa o observador. 

Esse é o conceito de “sacrifício”, sacrifício da testemunha, sacrifício do observador, sacrifício de tudo o que não é esta Eternidade.

 Há outros momentos que são adequados para isso, mas, esses, nós próprios os escolhemos, quer seja uma meditação, como um satsang, como um encontro com os intervenientes de outros planos Dimensionais.

 De qualquer modo, é preciso compreender que há, nesse momento, de maneira cada vez mais perceptível, cada vez mais nítida, para muitos, esta Aproximação da Multidimensionalidade.

 Ou seja, da Eternidade que vem irromper no nosso conhecido, no nosso ego-corpo-mental-personalidade. 

Esta irrupção, é claro, como um salto no Desconhecido, vai, em um primeiro momento, desencadear mecanismos de reflexo de sobrevida do ego-corpo-mental-personalidade, que projeta e que secreta, real e concretamente, os hormônios do medo (que estão ligados à noradrenalina, à adrenalina, a tudo o que está situado no cérebro reptiliano, à serotonina, é óbvio), um conjunto de neurotransmissores que vão inundar o corpo e o cérebro de uma sensação de mudança. 

Ora, o corpo, o mental, o ego, a personalidade, gostam muito deste conceito de linearidade, deste conceito de controle.

Mas, justamente, nesse processo de irrupção do Desconhecido em meio ao sono, ou em meio a uma meditação, há muitas vezes esse reflexo de se conter, de não se soltar, e então de não se Abandonar, que vem criar e manter este medo, que vem criar e manter uma falsa distância. 

Aí, eu falo de uma verdadeira distância para colocar entre esse processo, a Eternidade, o encontro Multidimensional (quer seja com MARIA, com um Vegaliano, com Si-mesmo, com o Sol, com tudo o que pertence à Eternidade), que dá, às vezes, uma impressão de dificuldade.

Este primeiro encontro aconteceu para muitos.

 Ele irá acontecer para um número cada vez maior de pessoas e de indivíduos sobre esta Terra. 

Basta olhar a quantidade de locais onde as pessoas se comunicam entre elas, quer seja na internet, quer seja nos Estados Unidos ou em outros lugares.

 Há uma multidão impressionante de pessoas que vivem fenômenos elétricos nas pernas, zumbido nos ouvidos, percepções magnéticas que estão ligadas à Liberação da Terra e do Sol, como foi dito, desde algum tempo. 

Mas essas pessoas não têm a informação, é claro, e ao invés de nada fazer (de não intervir), elas entram em um mecanismo de compreensão, de elucidação, a fim de relatar isso ao seu conhecido, a uma experiência ou a um saber, a um conhecimento. 

Esse é um erro que não deve ser cometido porque, deixar instalar esse processo, esse famoso Abandono à Luz, necessita, naqueles momentos, e especialmente naqueles momentos, de uma espécie de silêncio, interior como exterior, de uma espécie de rendição onde a cabeça, o mental, nada deve fazer, onde somente o Coração, o Núcleo do Ser Eterno, está implicado.

Saber disso já é de uma grande ajuda, ou seja, a informação anterior à manifestação (e, aliás, esse foi também o objetivo dos ensinamentos a um século, tanto através das canalizações como através do quase renascimento do que chamamos de Advaita Vedanta, ou seja, a doutrina da Não-Dualidade que foi transmitida por Shankara no século VIII) nos dá a explicação antes da vivência. 

Isso é efetivamente um alívio para quem leu as explicações, mas que não vive isso, porque ele está informado sobre o momento em que isso pode ocorrer.

 Convém a ele não interferir, quer seja pelo medo secretado por alguns chakras, pelas suprarrenais, pelo cérebro, mas, sim, em deixar seguir, em nada fazer (não intervir), a fim de entrar mais facilmente no Ser. 

É efetivamente o que acontece hoje para muitos Irmãos e Irmãs, para muitas pessoas sobre a Terra. 

O que era um processo, nos anos 80 e 90, extremamente limitado quanto ao número de pessoas, torna-se hoje cada vez mais importante, intenso, envolvendo um número sempre maior de pessoas.

 Portanto, a explicação, se vocês gostarem de fazer o jogo, com a personalidade, será preciso ali pensar depois da experiência, mas não antes da experiência.

A única informação para reter (na condição de que isso não seja um tremor de terra e, então, um mecanismo exterior) é que, quando desse processo de Vibração, de tremores, de eletricidade, de formigamento (os sintomas são inumeráveis, particularmente quando eles ocorrem durante a noite e nos momentos de meditação), não procurem compreender, “deixem acontecer” pela Eternidade.

Deixem colocá-los em Ressonância. 

Vocês nada têm que fazer! 

Depois vocês sempre poderão discorrer sobre o significado de tal processo ou de tal processo, porque não há melhor maneira de parar um processo Vibral do que ali interferir. 

Então, é claro, houve tempos (isso, aliás, será objeto de uma outra pergunta), houve momentos em que era preciso justamente se concentrar, focar a Atenção, a Intenção, bem além da simples vontade, nos processos que estavam acontecendo no nível da fixação desta Eternidade em meio ao efêmero (ou, se vocês preferirem, do Corpo de Estado de Ser em meio aos corpos sutis, densos, deste mundo) para entrar em Ressonância, em sintonia, em Alquimia, e encontrar o nosso Corpo de Estado de Ser e a Eternidade. 

Hoje, quanto mais os anos passarem, mais esse processo assume uma importância imensa no nível da consciência, e mais convém nada fazer (não intervir) a fim de Ser.

 Gradualmente e à medida disso, vocês irão constatar que o medo faz parte de qualquer manifestação de um ser humano quando ele encontra o Desconhecido.

Mesmo isso sendo um encontro, por exemplo, como quando vocês encontram alguém que vocês não veem há 20 anos, há uma emoção que aflora, mesmo se ela não for assimilável ao medo, mas à alegria, a alegria da personalidade, são exatamente os mesmos mecanismos que se põem em funcionamento. 

Eles visam criar, isso que é perfeitamente conhecido, aliás, o que chamamos de síndrome geral de adaptação, ou, se vocês preferirem, o estresse frente a uma situação nova. 

O complexo corpo-ego-personalidade reage tentando se adaptar a este desconhecido que está se manifestando

Isso vale para a vida cotidiana, naturalmente. 

Se vocês virem um leão vindo em sua direção e se vocês não estiverem armados, logicamente que vocês têm vontade de correr

Se vocês virem um ancião amoroso, que chega até vocês com os braços abertos, vocês têm, de preferência, vontade de correr para ele.

Mas, tudo isso, são apenas reflexos condicionados que participam da manutenção da vida do complexo inferior.

Isso é perfeitamente conhecido na fisiologia humana.

 É o que chamamos de síndrome geral de adaptação ou, mais classicamente, na linguagem atual, de estresse. 

O estresse está sempre associado ao encontro com algo de novo, porque algo de novo, ou de desconhecido, necessita de um reequilíbrio do corpo em um novo estado.

Então, nesse mecanismo de aprendizagem, isso não é exatamente como a história do leão ou do ancião amoroso, mas, realmente, é algo que é desconhecido e que necessita de aceitar a ideia de que esse processo é apenas o Encontro com a nossa Eternidade, ou com um ser Multidimensional (isso é exatamente a mesma coisa). 

O importante é vivê-lo.

 O importante não é ser freado por essas emoções que afloram, não é ser freado por essa necessidade de conceituar. 

Vivam primeiramente a experiência. 

Contentem-se em serem observadores e, se vocês forem capazes, distanciem-se até mesmo deste observador, para desaparecer, a fim de deixar aparecer o que é Eterno.

 É a Revelação do Si.

 É a Revelação da Presença.

 É a Revelação da Infinita Presença, da Última Presença, assim como do Absoluto. 

O Clique, o Basculamento, o ‘Switch’ da consciência, apenas pode ser realizado, completa e eficazmente, nesse sacrifício ou nessa renúncia à identidade efêmera, ao mental efêmero, às emoções efêmeras. 

A partir do momento em que vocês aquiescerem a esta verdade, não há qualquer razão para que isso não ocorra

Não há mais necessidade, eu creio, exceto para alguns, de praticar os inúmeros protocolos, de meditar em um objetivo específico.

 Naturalmente, ninguém ali escapa, mesmo eu.

Em determinados dias, nesses momentos de intensas Vibrações, vão se apresentar a vocês emoções, vão se apresentar a vocês, às vezes, imagens, reminiscências de tudo o que estava latente no nível do complexo inferior e que se esvazia desta maneira.

 Aí também, não deem importância ali, sobretudo nesse momento.

 Vejam-nas passar.

 Vejam-nas nascer e viver.

 É a melhor maneira de ali não dar peso, de ali não dar atenção, de situar-se em uma espécie de neutralidade. 

Aí também, não é questão de lutar, porque ao que vocês resistirem, isso vai se reforçar, é claro, na lei da ação-reação, mas de passar na Ação da Graça. 

A Ação da Graça é exatamente o nascimento do Néctar do Senhor que começou, para alguns, há um ano, para outros, bem antes disso.

 É esta subida da Onda da Vida que foi perfeitamente descrita por Nisargadatta e que está descrita no Tantra da Caxemira, no Shivaísmo.

É realmente aí que se encontra a chave da Liberação. 

Liberação, eu lembro a vocês, que sempre esteve aí. 

Simplesmente, o complexo inferior não quer isso, no sentido de ‘não vivê-lo’. 

A melhor forma de vivê-lo é ver o que acontece, sem emoção, a partir do momento em que vocês assumirem o hábito de não deixar essas emoções invadi-los, mas de aceitar vê-las. 

Não é questão de recusá-las ou de negá-las.

É o que acontece quando há ressurgimento de lembranças do passado, seja do tipo que for, de vê-las passar, de distanciar-se, a fim de bem compreender, antes que isso aconteça, que isso é um Trabalho de Iluminação pela Vibração, pela Luz Vibral, por algumas Entidades Multidimensionais que chegam pelo Canal Mariano.

 Ou, recentemente, por URIEL que vem dar a sua Tocha Vibratória no nível da Onda da Vida que está, eu lembro a vocês, cada vez mais multiforme na sua manifestação.

 Mas, o importante não é analisar a sua manifestação no momento em que isso é vivido. 

Podemos fazê-lo depois, com o jogo da personalidade.

No momento em que isso é vivido, o mais importante é nada fazer (não intervir).

 É a única maneira de Ser. 

Está aí o que eu tinha que dar como esclarecimento, eu o espero, sobre esta primeira questão.






Post. e Formatação
http://semeadorestrelas.blogspot.com/
 12.10.2013

Tradução para o português e
 divulgação: Zulma Peixinho
http://portaldosanjos.ning.com
www.portaldosanjos.net

Blog: Satsang do Coletivo do Um – 
Questão 1 (12-10-2013)
Transcrição do texto (em francês): 

2 comentários:

  1. Olá, agradeço a Alta, a Satsang do Coletivo de Um, A Semeador de Estrelas, e atodos os demais intervenientes pelo texto aqui postado, Ontem pela 1:30 da madrugada hora de Portugal, Vi-me invadida por uma onda de luz tão maravilhosa e poderosa, começou por pronunciar-se pelo alto da minha cabeça e logo depois área do coração por fim corpo todo... na realidade fiz o erro de intervir, não tive absolutamente nenhum medo , mas intervim através da meditação criativa utilizando a grande invocação a fim de direcionar essa energia ao serviço, da terra e humanidade, agora após este texto vejo que foi errado, a energia que veio a mim, ou que já lá estava.... tinha a função em mim, eu não o compreendi... despertando, obrigada pela partilha estarei agora mais preparada!

    ResponderExcluir
  2. Ola Crisma!... O mesmo já aconteceu comigo, mas vamos aprendendo a saber que nada temos a fazer a não ser deixar as energias agirem. Mas não é bem assim, nos assustamos, ou tentamos direciona-las, mas tudo por ainda não entender, não estarmos ainda com nossa consciência o suficientemente expandida, o que agora acontece rapidamente, neste nosso atual momento. E de grande ajuda são essas mensagem que nos situam e esclarecem o que ainda não é conhecido para nós.

    Um abraço.

    ResponderExcluir

Comentários não relevantes com a mensagem e possuidores de links não serão publicados, assim como comentários ofensivos a quem quer que seja.

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...