11/08/2013

Por que tantas pessoas amam coi­sas em vez de pessoas?

Quem será o senhor e quem será o escravo?

Osho
10 Aug 2013

Ouvi contar...

O dr. Ahrams foi chamado à loja de Mulla Nasruddin, onde Nasruddin jazia inconsciente.

 Dr. Abrams cuidou dele por um longo tempo e, finalmente, conseguiu revivê-lo.

“Como você conseguiu beber aquilo, Nasruddin? 
Você não viu o rótulo na garrafa?
 Estava escrito ‘veneno’!”

“Vi, doutor”, respondeu Nasruddin, “mas eu não acre­ditei.”

“Por que não?”, perguntou o dr. Abrams.

Nasruddin respondeu: “Porque sempre que acredito em alguém sou enganado”.

Pouco a pouco, as pessoas aprendem a não acreditar, a não confiar, a permanecerem cronicamente em dúvida.

 E isso ocorre tão vagarosamente, em doses tão pequenas, que você nunca está alerta para o que está acontecendo com você. 

Quando vê, é tarde demais.

É isso o que as pessoas chamam de experiência.

 Diz-se que uma pessoa é experiente quando ela perdeu contato com o coração.

 Dizem então:
 “Esse é um homem muito experiente, muito esperto, muito astuto; ninguém pode enganá-lo”

Talvez ninguém possa enganá-lo, mas ele enganou a si mesmo. 

Ele perdeu tudo aquilo que era valioso; ele perdeu tudo.

Então, um fenômeno muito peculiar acontece:
 não se pode amar pessoas, porque pessoas podem enganar. 

Começa-se a amar coisas, então.

 Como há uma grande necessidade de amar, as pessoas vão buscando substitutos: alguém ama a sua casa, alguém ama o seu carro, alguém ama as suas roupas, alguém ama o seu dinheiro...

É claro, a casa não pode enganá-lo, o amor não corre risco.

 Você pode amar o carro - um carro é mais confiável do que uma pessoa real. 

Você pode amar o dinheiro - o dinheiro é uma coisa morta, está sempre sob seu controle. 

Por que tantas pessoas amam coisas em vez de pessoas?

E até mesmo quando, às vezes, amam uma pessoa, elas tentam reduzir a pessoa a uma coisa.

Se você ama uma mulher, você está, de imediato, pronto para reduzi-la tornando-a sua esposa. 

Você está pronto para reduzi-la a determinado papel: o papel de esposa, mais previsível do que a realidade de uma amada.

Se você ama um homem, você está pronta para possuí-lo como uma coi­sa. 

Você quer que ele seja seu marido, porque um amante é mais líquido, nunca se sabe...

 Um marido parece algo mais sólido

Pelo menos, existe a lei, existe o tribunal, existe a polícia, existe o Estado, que dão certa solidez ao marido.

Um amante parece ser como um sonho: não tão substancial.

Assim que as pessoas se apaixonam, elas estão prontas para o casamento - tal é o medo do amor

E seja quem for que amemos, começamos a tentar controlar. 

Esse é o conflito que permanece entre esposas e maridos, mães e filhos, irmãos e irmãs, amigos - quem vai possuir quem?

Isso significa:
 quem vai definir quem, quem vai reduzir quem a uma coisa?

Quem será o senhor e quem será o escravo?

Mulla Nasruddin sentou-se, resmungando, para beber; e um amigo lhe disse: 
“Você parece mal hoje, Mulla.
O que houve?”

Nasruddin disse: 
“Meu psicanalista disse que estou amando o meu guarda-chuva e que essa é a fonte dos meus problemas”.

“Amando seu guarda-chuva?!”

“É. Isso não é ridículo? 

Ora, eu gosto dele, eu respeito o meu guarda-chuva, gosto da companhia dele.

Mas... amor?”

Mas o que mais é amor?

 Se você aprecia a companhia do seu guarda-chuva, se você o respeita, se você gosta do seu guarda-chuva, o que mais é amor?

Amor é respeito, um tremendo respeito; amor é um gostar profundo; e amor é pura alegria com a presença daquele que você ama.

 O que mais é amor?

Mas as pessoas amam coisas - uma necessidade profunda é, de alguma forma, preenchida por substitutos.

Lembre-se: a primeira calamidade é a pessoa tornar-se orientada-pela-cabeça. 

A segunda calamidade é a pessoa começar a substituir a necessidade de amor por coisas.

Então, você está perdido, perdido na terra desértica

Então, você nunca alcançará o oceano. 

Então, você simplesmente se dissipará e evaporará. 

Então, sua vida toda será um puro desperdício.

No momento em que você toma conhecimento de que é isso o que está acontecendo, mude o fluxo: faça todos os esforços para contatar novamente o coração.

 É isso o que os bauls chamam de amor - refazer o contato com o coração para desfazer o que foi feito a você pela sociedade.

Osho




Post. e Formatação
Semeador de Estelas

Osho, em "Vida, Amor e Riso"

Fonte: Blog Palavras de Osho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários não relevantes com a mensagem e possuidores de links não serão publicados, assim como comentários ofensivos a quem quer que seja.

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...