10/05/2015

Entendam de Onde Vieram e Onde Estão Agora- II

"A pessoa que tenta voltar pro Um vai tentar 
assegurar que todos sigam 
o caminho dela'. 

"Isso é o inferno".
Canalizado por
Geoffrey Hoppe


Série do Kharisma
SHOUD 9
Círculo Carmesim
2 de maio de 2015
(Nota: S. de Estrelas - Vejam o que diz Adamus nessa frase que destaquei, a respeito da Unidade de sermos todos Um ou que não somos todos Um. Sei que isso parece ir contra todas as informações que nos passam outros Seres, mas leia e vejam o que Adamus diz a respeito. Lembrem também do que sempre Aivnhov e os Anciões comentaram sobre a prisão em que alguns Mestres Ascensos estão. Todos tem seu grande valor e soberania, todos nós somos soberanos, e é isso que tenta nos mostrar Adamus, embora isso vá contra nossos velhos conceitos, os quais, bem sabem, não devemos ter. Se não formos livres para pensar desvinculado de qualquer velha doutrina e conceitos, como vamos despertar para a verdade e iluminação?) 

2ª Parte
ADAMUS: Passe pra cá isso [microfone].

 [Ele pega o microfone da Edith e entrega à Linda.] 
Não quero saber, Edith, se é você ou qualquer outro. 
A resposta não vai estar lá até que estejam realmente prontos pra ela.

Agora, vocês dizem: “Ah, Eu Sou, Eu Sou. 
continua...
Eu estou pronto pra iluminação.
 Não o suficiente. 

Na verdade, não mesmo. 
Não mesmo. 

Há uma razão pela qual vocês estão esperando, e vocês a escondem de si mesmos. 

E vocês vão mascarar, vão encobrir a coisa, dizendo:
 “Ah! Então, podemos todos ficar juntos como Shaumbra e nos encontrar no Facebook.” [Algumas risadas] Edith, a rainha do Facebook. [Mais risadas, inclusive de Adamus] 

E: “Vamos todos chegar lá juntos.”
 Ou coisas do tipo... 
Por quê? 

Vocês não precisam responder agora.
 E vocês dizem, bem, não, eu que tenho que dizer pra você. 

Seria tão opressivo; vocês têm que descobrir quando estiverem prontos.

Mas quero que saiam daqui hoje, ou façam o que forem fazer, se estiverem acompanhando online, e sintam essa pergunta



Quero que sintam... e não tentem responder a partir daqui [da cabeça]. 

Não virá daqui.
Não virá assim:
“Ah, porque eu tive que voltar no momento certo, quando os meridianos e as grades estavam alinhadas e as fadas, os devas e os elfos estariam todos aqui pra me apoiar.” 

Ah, calem a boca!
Obviamente, vocês não estão prontos pra ouvir sua própria resposta.

Poderiam argumentar isto:
 “Ah, você pode dizer isso pra qualquer um.” 
Não, mesmo. 

A maioria das pessoas não está preparada como vocês estão.

 A maioria não esteve aqui na época de Yeshua.

 A maioria não esteve nos monastérios nem nos templos estudando profundamente. 
A maioria não tem o saber da Cabala como vocês têm. Lembrem-se, ela não é um livro sagrado judeu. 
A Cabala é a verdade e remonta a uma época bem anterior.

A maioria não está preparada, então, a minha pergunta não se aplica à maioria das pessoas, de jeito nenhum. 

Nem mesmo à maioria dos “nova era”.


É interessante porque vocês, Shaumbra, seguiram – vocês, enquanto grupo –, seguiram além da nova era. 


Bem além. 

Isso nem mais faz sentido.

Vocês foram além da espiritualidade. 
Realmente foram. 

Este não é mais um grupo espiritual, porque a espiritualidade é definida por muitos conceitos, estruturas, histórias e makyo

Isto nem é mais algo oculto – aquela coisa oculta. 


Vocês foram além disso

Vocês levaram isso pra outro nível.
 Vocês levaram a si mesmos pra outro nível.

 É por isso que vocês não encontram conforto nos grupos espirituais nova era, porque não somos aquilo. 


Isto definitivamente não é uma religião.

Mas chegamos nesse ponto interessante, nesse ponto tenso de atrito na sua realização, e vocês estão se perguntando por que as coisas andam tão difíceis ultimamente.

Porque vocês estão mudando.
 Mas tenho que fazer essa pergunta.
 Vocês poderiam ter realizado isso.
 Eu estava ao lado de vocês. 
Vocês poderia ter realizado isso lá atrás.
 Por que não?
 O que vocês ficaram esperando?

Essa é uma resposta que vocês precisam descobrir sozinhos.
 E não se trata de chegarmos lá todos juntos. 
Esse é um benefício secundário.
 Por que vocês esperaram?

Quando estiverem prontos pra encontrar essa parte de si mesmos que sabe a resposta, então, vocês estarão prontos pra iluminação. 

Enquanto não conseguirem responder com clareza e de maneira sucinta, enquanto ficaram dando um monte de desculpas de makyo, enquanto estiverem pensando demais sobre isso, é porque vocês ainda não querem isso o suficiente.

Ainda não querem. 

Não que seja ruim. 
Vocês podem esperar cinco anos, vinte anos, dez existências; não importa. 

Mas há uma dinâmica e, por favor, não julguem isso como sendo algo ruim. 


Ainda tem algo que vocês estão obtendo enquanto desempenham o papel de humanos.

 Algo que, vocês sentem, vai desaparecer, vai acabar na iluminação.

Talvez seja medo
Talvez seja o medo da morte. 
Talvez seja simples assim. 
Eu acho que não. 
Talvez seja outra coisa.

Sim? 
Microfone para o cavalheiro simpático.


PETER: Obrigado.
ADAMUS: Sim?

PETER: O que eu sinto é que eu não estava disposto a ser responsável.
 Eu não estava... 
Digo isso da maneira mais simples possível. 
Eu não estava disposto a ser responsável.

ADAMUS: E posso ir um pouco além?
PETER: Pode.

ADAMUS: E, lembrem-se, isto é para o Peter. 
Não se aplica a todos; é para o Peter. 
Não só não estava disposto a assumir essa responsabilidade... 
E vamos ver isso por um ângulo positivo. 
Você estava se divertindo.

PETER: Certo.
ADAMUS: Você estava se divertindo. 

Agora, tem outra coisa que vou acrescentar. 
Todo mundo fica viciado.
 Faremos, por sinal, uma reunião sobre vícios aqui em agosto. Todo mundo fica viciado, porque os vícios são divertidos. 
Uma droga de diversão. 
Dá a vocês uma razão pra acordar de manhã, voltar pro vício, quer seja físico, mental, emocional, não importa.

PETER: Há uma parte que eu sinto que é como se eu estivesse acostumado a isso, confortável, e realmente me divertindo com o efeito que provoca.

ADAMUS: Isso. Iss
PETER: E não quero abrir mão desse jogo.
ADAMUS: Claro que não.
PETER: Veja bem, e...
ADAMUS: Que tal, então, só tornarmos o jogo um pouco mais fácil?
PETER: Certo.
ADAMUS: Você gostaria?
PETER: Bem, não o tempo inteiro.
ADAMUS: Um pouquinho...
PETER: Não o tempo inteiro.
ADAMUS: Eh, mas digamos...

PETER: Não o tempo inteiro, veja bem.
O impossível é divertido, porque, então, quando se consegue... uau! [Ele ri.]

ADAMUS: Vamos tornar o jogo um pouco mais fácil, injetar um pouco mais de dinheiro pra suprir o jogo.

PETER: Certo.

ADAMUS: Estamos na mesa de apostas, você tem um pouco mais de dinheiro pra jogar agora e vamos fazer o jogo ser um pouco mais recompensador.

PETER: Certo.

ADAMUS: E vamos colocá-lo em qualquer lugar da mesa de jogo que você queira.
Só vamos tornar o jogo um pouco melhor.
 Que tal assim?

PETER: Estou com você.
ADAMUS: Não vai acontecer. [Risadas]

E é assim que vocês todos estão se sentindo no momento, que isso é parte do meu trabalho.

 Vocês não vão ter um jogo melhor. 
Não vão.

 E muitos... 
Não só vocês, mas muitos desses movimentos espirituais, religiosos, só estão tentando tornar o jogo um pouco melhor.

Esse não é o meu trabalho e esse não é o verdadeiro desejo de vocês. 
Não é sua paixão tornar o jogo um pouco melhor.

É onde as pessoas ficam presas na iluminação.



 Tentando apenas tornar a vida humana um pouco melhor – tornando os vícios um pouco mais fortes, tornando-os mais agradáveis, tornando os vícios, não importa quais sejam, tornando esses vícios um pouco mais divertidos. 


Não estamos aqui pra isso.
Não estamos aqui pra isso, de jeito nenhum. 
Vamos seguir além disso.

Assim, mais uma pessoa, querida Linda.

 Mais duas. 

David levantou a mão. 

David quase nunca fala. Sim?

MARY SUE: Sinto que confiei nos outros mais do que em mim mesma.

ADAMUS: Ótimo.

 Então, vamos mudar isso um pouco; você não confia em si mesma. 
Não tem a ver com as outras pessoas.
 É. 
Isso poderia ser, pra ela [Mary Sue], uma excelente razão: 
“Não confio em mim mesma.”


Há um enorme fator na iluminação. 

Vou tratar disso daqui a pouco, mas há um enorme fator com o “deixar ir”. 

E está entranhado em cada um de vocês.


 Com relação a realmente deixar ir, e eu digo deixar ir mesmo. E é o de que dragões, demônios, Satã e tudo mais estarão esperando por vocês, pra devorá-los. 

É um medo que foi instilado em cada um de vocês.
 E tem também:
 “E se eu deixar ir e tudo tiver sido uma piada?” 

Vou dar minha resposta simples depois.

A vida é o que quer que vocês basicamente imaginem que ela seja, escolham que ela seja, com o Kyeper. 

O Kyeper. 

Existe o ar, o ar físico, o ar etéreo, que cria um tecido com um material, um lindo material reluzente.

 Vocês lançam o seu Kyeper nesse tecido e ele cria a vida de vocês. 

A maioria das pessoas não conhece isso e não faz isso de maneira consciente; simplesmente, emporcalham esse tecido. [Algumas risadas] 


Mas tem esse lindo tecido e, com o Kyeper, vocês podem criar qualquer coisa que quiserem.

Você está indo [Mary Sue], todos nós estamos indo além, para o que quer que se escolha.
Há esse medo de que tenha uma escuridão. 

Vocês simplesmente vão rir da escuridão.
 É, ela vai estar lá.
 Vai estar com vocês. 
Vocês vão rir dela.

E, então, vamos nos tornar o que escolhermos nos tornar, e vamos continuar evoluindo, expandindo e criando mais com essa pintura no ar e no tecido de éter. 
É simples assim.

Em outras palavras, nada disso importa. 
É só o que vocês escolherem. 
Mas uma parte é confiar em si mesmos.

Isso nos leva de volta àquela velha coisa que eu não aguento mais: 
“Ah, eu fiz coisas ruins numa vida passada. 
Eu matei pessoas.
 Eu estava na guerra.”

 É, todos nós fizemos isso. 
Faz parte da jornada humana.
 Superem. 
Superem. 

Não vai acontecer de novo com nenhum de vocês. 
Nenhum de vocês... [Ele olha pro alto.] 
Só estou checando de novo. [Algumas risadas] 

Nenhum de vocês se tornará um assassino ou, sabem como é, um terrorista nem nada disso. 
Então, não vai acontecer. 
Superem.

Certo. 
Mais um, rapidamente.

 Precisamos prosseguir.


LINDA: Você já chamou o David.
ADAMUS: David. Sim, David?
 Por que você esperou, David?

DAVID: Acho que esperei, assim como todos aqui, Shaumbra, por amor à humanidade.
 Sabíamos que este seria um tempo de transição intenso e poderíamos estar em serviço. 
Ao mesmo tempo, também há aquela dúvida incômoda dentro de nós, veja bem, nós ficamos paralisados...

ADAMUS: Certo.

DAVID: ... e devíamos ter pego o caminho mais fácil, e agora duvidamos se...

ADAMUS: Tipo o pássaro que chega primeiro é que come a minhoca, ou algo do tipo. É assim: “Devíamos ter feito lá atrás.” É.

DAVID: Então, tem...

ADAMUS: Sim, e eu gostaria de falar sobre isso, David. 

Obrigado. 
É uma coisa muito boa, “estar aqui pra servir a humanidade”. [Ele revira os olhos; algumas risadas]


Está escrito na Cabala. 

[David levanta a mão pra falar; Linda já tinha levado embora o microfone.]

 Sim. 

Linda, microfone novamente.
 Continue correndo.

DAVID: E se eu disse “servir”, foi porque fiquei nervoso por estar na frente de todos vocês. 
Mas o que eu queria dizer era o nosso amor, nossa paixão e amor profundos pela humanidade e por Gaia.

ADAMUS: Tá. Certo, é uma razão válida. 
Eh, é uma desculpa válida. [Algumas risadas]

DAVID: Tudo bem [rindo].


ADAMUS: Mas vou contar uma historinha sobre isso.

Voltando quinhentos, seiscentos anos, era normalmente aceito nos círculos espirituais, nas Escolas de Mistério, em todo lugar, que a sua ascensão, a sua iluminação, dependia do restante das pessoas. 

Estava na moda na época:
“Não vou seguir em frente até que todos nós estejamos prontos.” 

Parecia maravilhoso, e foi algo que se tornou muito, muito popular.

 Era assim que a maioria das organizações espirituais operava. E foi assim realmente até... ontem. [Risadas]

 Não, mas estou dizendo que isso tem uma história.
 Existe o que se pode chamar de crença filosófica, espiritual, nisso, e quase todos acreditavam que era assim. 

Os poucos que não acreditavam eram basicamente expulsos. “Vamos todos fazer isso pela humanidade.”

Bem, uma coisa interessante aconteceu.
 Eu apareci. [Adamus ri.] 
Verdade. 

Fui o primeiro a falar contra isso, em termos muitos práticos. 

Eu me lembro dos longos debates que travamos há centenas de anos. 
Eu não fui, de fato, muito popular, durante um tempinho curto, acreditem ou não. [Algumas risadas] 

E, Shaumbra...
 É, é, é, alguém já está no e-mail ou no Facebook ou sei lá onde, dizendo: “Como ele pode ser tão arrogante?” 
[Ele fala com a câmera.] 

Sabe de uma coisa? 


É uma atuação, e talvez você devesse parar de agir como um desmiolado.

LINDA: Oooh!
ADAMUS: Eu não estou falando com todos eles. 
Só uma pessoa lá está... “Oh, ele é tão arrogante.”

LINDA: Fale com ele! Fale com ele!

ADAMUS: Por que você não para de agir como um troglodita, hein?
 Você sabe que é você. [Adamus ri.] 
É tudo uma atuação e, se vocês agem com um pouco de pompa, é melhor do que agir como...
 “Ohhh, eu sou uma vítima.”

Experimentem! 
Atuem um pouco.

 “É! A vida tem sido ótima pra mim! 
Então, eu sou um pouco melhor. 

Eu não ligo! [Risadas] 
É só uma atuação!
 E, então, sabem o que acontece?

 Vocês agem dessa forma e é como:
 “Tudo bem, então, eu tenho mais dinheiro que você.
 Certo? 
E está bem pra mim. 
Não pra você.” [Mais risadas] 

Vocês começam a agir dessa forma e sabem o que acontece? 
A energia é entregue pra vocês dessa forma. 

É uma coisa meio estranha.
 Chama-se... 
Cadê meu livro? 
Preciso de uma coisa – Atuação da Consciência

Sim.
 Alguém tem... Isso. 
[Alguém entrega o livro a ele, ele levanta o livro e mostra pra plateia.] É.


É a Atuação da Consciência.

 Está tudo aqui. 

São, na verdade, 150 páginas. 


Interessante observar que dez estão em branco. 
Por que fizeram isso? 
É tudo uma atuação. 

Vocês atuam como se estivessem prontos para a ascensão ou a iluminação, e adivinhem?
 Acontece.
 É tudo uma atuação.

Alguns argumentam que atuar não é algo verdadeiro. 
Oh, droga! 
Olhe pra você! [Ele fala com a câmera; Adamus ri.] 
Isso é uma atuação, não é real e é realmente cansativo agora.

 Não estou falando com todos vocês que estão online, só com aquela pessoa.
 Aquela.

 Esse “Eghhhh!Adamus.
 Eghhh!” [Risadas] 
“Vou escrever uma coisa ruim no Facebook!”

É tudo uma atuação, e vocês podem atuar do jeito que quiserem.
 Vocês podem atuar de maneira excêntrica – ah, vocês já atuam assim.

 Vocês podem atuar do jeito que quiserem! 
Vocês podem atuar como se estivessem integrados, mesmo que essa parte humana de vocês diga:
 “Ah, você está fingindo!” 
“Eu não ligo! 

Você é que vai ligar, sua parte humana estúpida

Você que está fingindo. 
Eu vou atuar como estando realmente integrado e sendo abundante.

 Vou atuar como tendo uma saúde ótima, como tendo um corpo jovem vibrante.” 
É tudo uma atuação e, até começarem a acreditar, bem, que vocês estão fingindo, até começarem a aceitar sua atuação como sendo apenas um papel humano de limitações, vocês terão um longo, longo, longo caminho a percorrer.

Sendo assim, atuem, do jeito que for. 

E atuem, de muitas maneiras, todas ao mesmo tempo. 
Todas ao mesmo tempo. 
Não uma de cada vez. 

Vocês podem ser muitos atores no seu palco de uma vez.
 Do modo que quiserem.

Onde estávamos antes do nosso momento de distração aqui?
 David. 

A história dizia, estava na moda, voltando trezentos, quatrocentos anos, que nós todos faríamos isso pela humanidade.

 Eu esqueci quem começou isso, mas eu teria socado esse fulano se eu estivesse lá e conhecido ele, porque todo mundo aceitou isso. 

É uma história bacana.
 Dá pra perceber quanto tempo vai levar pra todo mundo no planeta se tornar iluminado?

Primeiro, tem sempre gente nova chegando o tempo inteiro, num ritmo acelerado. 
Umas mil existências eles terão que cumprir.

 Tudo bem, vamos reduzir pra 700.
 Vocês vão esperar por eles?

 E depois pelos filhos deles, e os filhos dos filhos deles. 
Ohh!

Então, propus, numa reunião de Mestres encarnados, na época... eu propus, eu disse:
“Que tal isso ser uma jornada da soberania?” 

Todos fizeram “Oooh, ohhhh. Ohhh, ohhh”. 
“Que tal pararmos de focar nesse negócio de “todo mundo tem que ir primeiro; eu serei o último a passar pela porta; o capitão é o último a deixar o navio.”

 Dane-se.

 O capitão deveria sair do navio antes, e encontrar um barco pra vir e salvar o restante. [Adamus ri.] 
Não entendo essa mentalidade.

Então, propus, lá atrás... eu disse: 
“Que tal abandonarmos esse programa de ninguém” – como diziam? “ninguém pode ser deixado pra trás?” 

Deixem todo mundo pra trás. [Risadas] 
É um programa melhor. 
Porque, eu propus, eu disse: 
E se um, dois ou cinco alcançarem a iluminação?” 
Oh! 

Um silêncio pairou sobre a sala, como se perguntassem “o que está acontecendo aqui”. 

“Ohh, e depois, Adamus?” 

Eu disse: 

“Vejam bem, digamos que haja cinco e que eles permaneçam encarnados, caminhando na Terra – sem saírem por aí dizendo ‘estou iluminado’, mas só andando pela Terra – e se tornem Standards.

Porque, vejam bem, quantas pessoas acreditam que terão uma realização espiritual nesta vida?
 Não muitas. 
Elas não têm esperança.

 Elas têm as histórias dos velhos Mestres.
 Não têm esperança.
 Então, não acreditam que podem fazer isso. 

Estão esperando ir pro outro lado pra ter as respostas e a salvação.

 E a maior parte delas acredita em céu e inferno e em algo intermediário. 

Então, elas esperam. 
Não acreditam que podem fazer isso.

 Mas, se eu colocar cinco aqui no palco ou lá fora andando pelo parque, no shopping, num aeroporto, cinco que não tenham que dizer uma palavra com a boca porque o kharisma delas resplandece, isso fará a diferença.

Então, teve aquele “hummmm” na sala com os outros Mestres. 

Eles não estavam prontos para aceitar isso, porque tinham investido ou estavam viciados na velha maneira de pensar. 

Mas eu disse: 

“E se...?”

E se não precisássemos mais fazer canalizações?
E se fosse o humano que ficasse de pé aqui como Mestre realizado? 

Não seria bem melhor do que esperar, esperar e esperar por toda a humanidade? 


Não seria melhor pro resto das pessoas ter exemplos reais? Hummm. 

Humm.

Ainda não é uma ideia muito popular. 

A maioria dos grupos ainda vai ficar fazendo a coisa dokumbaya: 
“Temos que ir todos. 
Temos todos que ser um.” 
Não.

Vou contar uma coisa, pra você, [olhando pra câmera] sim, pra você que ainda está assistindo, ainda está escrevendo, “Eghh, Adamus. Eghhh.” [Adamus ri.] 

Vou contar pra todos vocês um segredinho, e é um dos meus assuntos favoritos – não: unidade. 


Se estiverem buscando a unidade, este não é o lugar.

Não tem volta pra unidade, tipo voltar pra Deus e: 
“Ohh, vamos todos nos atirar em Deus.” 
Não.

 Na verdade, não há realmente Deus, mas esse é um outro assunto. 
, mas não o Deus humano.


 Estou tão cheio desse Deus humano.
É uma retórica de Deus, certo? [Ele olha pra câmera.] 



Faço um discurso de vez em quando.
 Mas não há volta pra essa unidade. 



Não existe unidade universal:
 “Somos todos um.” 



Todos temos semelhanças, mas vocês não são um. 

Vocês são soberanos. 
Vocês são soberanos.

Um ser soberano tem uma perspectiva muito melhor e compaixão por todos os outros; a maior compaixão por todos pela jornada deles, pelo caminho deles, pela singularidade deles, pela diversidade deles, do que alguém que esteja tentando voltar para o Um. 

A pessoa que tenta voltar pro Um vai tentar assegurar que todos sigam o caminho dela. 

Isso é o inferno.

 Digo que é o inferno, literalmente, porque elas imaginam voltar pra alguma nuvem de unidade, mas querem que seja do jeito delas, à maneira delas. 


Então, vocês podem imaginar o conflito que é, quando tentam levar todo mundo pra unidade do jeito delas.


Não funciona.

Vocês são soberanos.

 Vocês não vão voltar nem pra própria unidade, porque vocês vão descobrir, e particularmente vamos focar isso no Keahak, que vocês não são Um.

Vocês são Muitos.
 Certamente. 

Vocês não vão se atirar numa alma macia de algodão doce que faz tudo por vocês. 
Ela não vai estar lá.

 Assim como Deus não estará lá, a alma não estará lá, porque esses são conceitos humanos. 


Essas são construções humanas precisar de um salvador.

Não estamos indo pra lá.

 Estamos indo pra os Muitos de vocêsos muitos, muitos, muitos, muitos de vocês –, e isso é de uma liberdade imensa, é uma benção enorme.

Tudo bem, me desviei do assunto aqui, mas fiz isso de propósito.


LINDA: Isso é um aquecimento para as suas apresentações em junho?
ADAMUS: Só cobri 10% da nossa conversa aqui hoje. [Adamus ri.]

LINDA: Parece um aquecimento para junho.
ADAMUS: É... Vou explicar pra vocês daqui a pouco. Próxima pergunta.

EDITH: É como uma revisão de Tobias.
ADAMUS: Revisão de Tobias?!
EIDTH: É.
ADAMUS: Talvez. [Adamus ri.]



Segunda Pergunta
Continua Parte 3

Post. e Formatação
Semeador de Estrelas
http://semeadorestrelas.blogspot.com

Tradução de:
 Inês Fernandes
mariainesfernandes@globo.com

Série do Kharisma
SHOUD 9: “Kharisma 9” –
Apresentando ao Círculo Carmesim
em 2 de maio de 2015
Fonte: www.crimsoncircle.com

Imprimir ou Salvar em PDF

3 Mais Lidas do Blog

DOAÇÃO/MANUTENÇÃO


– DOAR – Abro este canal para doações espontâneas para este blog, sem qualquer compromisso, qualquer valor auxilia a manutenção deste espaço.
Opção de deposito: Caixa E.Federal - Ag:0505 -
Conta:013-00007103-7 L.A.P.M.B.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...